Banner
Banner
Banner
Banner
Regras e Estilos de Nados da Natação

 

A piscina de natação

Antes de sabermos como funcionam as provas e cada modalidade de nado da natação, vamos conhecer como é o local onde os atletas têm que realizar as provas que é a piscina.

- Existem dois tipos de piscina nas quais as provas são realizadas. A de 25 metros e a de 50 metros (Ver fotos). Na piscina curta (25 metros) a única diferença entre uma e outra é a sua extensão. As demais medidas da piscina curta são iguais a piscina de 50 metros.


- Baseando-se então na piscina olímpica, ou então, 50 metros, em seu comprimento, há uma tolerância de até 3 centímetros em ambas as cabeceiras, quando da utilização de placas de equipamento eletrônico, usadas para a batida dos nadadores a cada final de prova. Após a colocação destas placas, o espaço restante entre uma extremidade a outra da piscina, deve medir exatos 50 metros. A profundidade mínima de uma piscina de natação deve ser de 1,35 metros da cabeceira principal em que hajam blocos de partida. Nos restante da piscina, a sua profundidade deve ser de 2 metros ou mais.


- As raias têm que apresentarem uma largura mínima de 2,5 metros cada. No lado de fora das raias de números 1 e 8 deve haver uma sobra de 50 centímetros e uma divisória de raia separando esses espaços das respectivas raias (foto abaixo).

- As divisórias das raias, as cordas flutuantes, ficam estendidas por todo o comprimento da piscina e devem permanecer presas às cabeceiras por suportes reforçados.


- Os blocos de partida (foto abaixo), de onde saltam os atletas para a água, tem altura acima da superfície da água que pode variar de 50 a 75 centímetros. A área da superfície do bloco de partida deve ter pelo menos 50 centímetros de largura por 50 centímetros de comprimento e estar revestida com material antiderrapante. A inclinação máxima deste bloco não pode ser superior a 10 graus.

 

 

Os estilos de nados


As provas de natação podem ser disputadas em piscinas de 25 e 50 metros. Tanto os homens quanto as mulheres disputam competições em cinco estilos diferentes: costas, peito, borboleta, livre e medley. Saiba abaixo como funcionam cada uma destas provas.

 

Nado Costas

Nesta prova, os competidores devem se alinhar dentro da água, mantendo-se de frente para a cabeceira de saída, com as duas mãos colocadas nos suportes de agarre do bloco de saída que ficam colocados na parte mais baixa destes blocos. Os pés podem ficar acima do nível da água.


Antes do sinal de partida, ao comando dado pela arbitragem de “aos seus lugares” (take your marks), o nadador deve trazer seu corpo em direção ao bloco de partida, apoiado pelas mãos no suporte de agarre. No sinal de partida, o nadador impulsiona seu corpo para trás, tentando obter o maior avance possível.


Ao nadador é permitido ficar completamente submerso após a saída e em virada por uma distância de até 15 metros. Até esta marca de 15 metros, a cabeça do nadador deverá retornar a superfície.


O nadador deverá percorrer toda a distância que determina a prova no menor tempo possível.


Na virada, os ombros podem girar além da vertical na direção do peito e, a seguir, uma contínua braçada ou uma contínua e simultânea dupla braçada podem ser usadas para iniciar o movimento. Assim que o nadador tocar a parede e a deixá-la na virada, deve voltar imediatamente na posição de costas. No final da prova, o nadador toca com a ponta dos dedos, na posição de costas, o painel de pontuação ou a parede.

 

Nado Peito

Considerado o estilo mais antigo da natação, no nado peito, o atleta fica com o corpo na posição horizontal mantendo o tórax voltado para baixo. Os movimentos dos braços são sempre simultâneos e nunca podem se movimentar alternadamente.


As mãos do nadador são lançadas para frente juntas, a partir do peito. Os cotovelos sempre ficam submersos, com exceção da última virada. As mãos então são levadas para trás num movimento circular na direção das pernas, não podendo ultrapassar a linha dos quadris, exceto na saída ou na virada.


As pernas, iguais aos braços, precisam ter seus movimentos simultâneos, nos mesmo plano horizontal, empurrando a água para trás. Digamos que se você observar um sapo nadando, o movimento das pernas que o sapo faz é bastante semelhante ao que o nadador tem que fazer na prova de peito.


Durante um ciclo completo de uma braçada e uma pernada, a parte da cabeça do nadador deve sempre quebrar a superfície da água.


Após a saída e em cada volta, o nadador pode dar uma braçada completa até as pernas. A cabeça sempre tem que quebrar a superfície da água antes que as mãos virem para dentro na parte mais ampla da segunda braçada.


Em cada virada e também na chegada, o toque na parede da piscina ou no painel eletrônico deve ser feito com as duas mãos simultaneamente, acima, abaixo ou no nível da água.

 

Nado Livre (crawl)

Nesta prova, o nadador fica em posição horizontal, com a face voltada para o fundo da piscina e respira quando vira a cabeça para as laterais. As pernas agem no movimento parecido com uma tesoura, batendo os pés sobre a água e ao mesmo tempo gira os braços na linha do corpo, alternando-os em batida sobre a superfície da água.


Por incrível que pareça, as provas de nado livre, o atleta pode escolher qual o estilo deseja nadar. Porém, todos preferem o crawl porque é o nado que alcança maior velocidade, logo, o crawl é chamado de nado livre e vice-versa.


Nas viradas de cada prova, o nadador deve tocar a parede da piscina com alguma parte do corpo e nas saídas destas viradas, o nadador pode ficar submerso até os primeiros 15 metros, do qual a partir deste ponto a cabeça deve cortar a superfície da água.

 

Nado Borboleta

Derivado do nado peito, o nadador, para executar o nado borboleta, deve manter o corpo em posição horizontal, com o tórax voltado para baixo. Os ombros ficam alinhados com a superfície da água já a partir da primeira braçada, não sendo permitido girar para as costas.


Os dois braços devem ser levantados juntos para frente por sobre a água e depois trazidos para trás na direção das pernas do nadador. Os movimentos sempre devem ser simultâneos e são semelhantes  a batida de asas de uma borboleta.


Também executadas com movimentos simultâneos, as pernas e os pés, no plano vertical, de cima para baixo, não precisam estar no mesmo nível, porém, não são permitidos movimentos alternados.


Tanto na virada quanto na chegada, o toque deve ser feito com as duas mãos ao mesmo tempo. Como nos outros nados, após a saída ou virada, o nadador pode ficar submerso  por uma distância de 15 metros, do qual, após este limite, deve quebrar a superfície da água com a cabeça, dando em seguida uma braçada de borboleta.

 

Nado Medley

Nas provas de medley do individual, o nadador realiza quatro estilos diferentes na seguinte ordem: borboleta, costas, peito e nado livre. Neste caso, o nado livre é qualquer outro estilo que não seja o borboleta, o costas e o peito, portanto os atletas adotam o nado crawl.


No caso do revezamento, quatro atletas que integram uma equipe, cada um deverá nadar um estilo. A ordem, porém, é diferente: costas, peito, borboleta e nado livre. O mesmo vale para esta categoria, o nado livre não pode ser o costas, peito e borboleta.

 

 

As provas de natação

Baseando-se em como as provas são realizadas nos Jogos Olímpicos e nos Jogos Pan-americanos, vamos mostrar quais as provas são realizadas no masculino individual e equipes, assim como no feminino individual e equipes.


Ao todo, tanto nas Olimpíadas quanto no Pan-americano, são disputadas 32 provas finais de natação. Esta lista você confere logo abaixo.

 

Masculino individual

As provas disputadas no masculino individual são:

- 50 metros nado livre;
- 100 metros nado livre;
- 200 metros nado livre;
- 400 metros livre;
- 1500 metros nada livre;
- 100 metros nado costas;
- 200 metros nado costas;
- 100 metros nado peito;
- 200 metros nado peito;
- 100 metros nado borboleta;
- 200 metros nado borboleta;
- 200 metros medley;
- 400 metros medley.

 

Masculino por equipes

As provas disputadas no masculino por equipes são:

- Revezamento 4x100 metros nado livre;
- Revezamento 4x200 metros nado livre;
- Revezamento 4x100 metros medley;

 

Feminino individual

- 50 metros nado livre;
- 100 metros nado livre;
- 200 metros nado livre;
- 400 metros livre;
- 800 metros nado livre;
- 100 metros nado costas;
- 200 metros nado costas;
- 100 metros nado peito;
- 200 metros nado peito;
- 100 metros nado borboleta;
- 200 metros nado borboleta;
- 200 metros medley;
- 400 metros medley.

 

Feminino por equipes

- Revezamento 4x100 metros nado livre;
- Revezamento 4x200 metros nado livre;
- Revezamento 4x100 metros medley;

 

 

Os juízes da natação

A Federação Internacional de Natação escala um time de árbitros para as provas de natação. Tomando como base as competições como os Jogos Olímpicos e Pan-americanos, uma equipe de arbitragem é dividida da seguinte forma: 2 árbitros gerais (um para as provas masculinas e outro para a feminina); 2 juízes de partida (também um para cada prova, masculina e feminina); 1 supervisor da sala de controle; 2 inspetores de volta (1 para cada cabeceira da piscina); 16 inspetores de volta (1 localizado em cada cabeceira de cada raia); 4 inspetores de nado (2 em cada lado da piscina); 1 anotador, 1 responsável pela corda de falsa saída ou escape e 1 locutor ou anunciador.


Vejamos então qual é a função de cada um deles nas provas de natação.

Árbitro geral: É o responsável pelo andamento da competição e tem a palavra final.

Juízes de partida: Dá a largada da prova com o sinal eletrônico.

Juízes de nado: Ficam posicionados nas laterais da piscina, acompanhando cada braçada e verificando se os nadadores estão praticando corretamente os estilos, sem falhas ou erros.

Os inspetores de volta: Verificam se as viradas são feitas de acordo com as regras.

Os anotadores: Ficam em uma sala especial acompanhando os resultados informados pelos instrumentos eletrônicos e o processamento de tempos feito em tempo real pelos computadores.

O locutor: Serve para facilitar a comunicação dos árbitros com os atletas e o público.

Juiz de corda de saída falsa: É o responsável pela corda de saída falsa que é colocada a 15 metros da borda. Quando um atleta queima a largada, um sinal soa para indicar que os atletas devem retornar às suas plataformas. Ao mesmo tempo, esta corda cai na água.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
- LIVRO: Almanaque dos Esportes, Editora Europa, 2009.
- LIVRO: O que é Natação, Silva Silveira, Armando Freitas. – Rio de Janeiro: Casa da Palavra: COB, 2006.
- SITE: Confederação Brasileira de Natação - http://www.cbda.org.br/
- SITE: Federação Internacional de Natação - http://www.fina.org/

 

Blogs

Pádel Show
2°Etapa do Circuito MMC



por Edson Moreira

Linha de Chegada
Hamilton vence 4ª seguida nos Estados Unidos



por Dyeison Martins

ASSISTA

Banner
Banner

Newsletter




Copyright © 2014 Travinha Esportes. Todos os direitos reservados.